jusbrasil.com.br
16 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

SEGUNDA CAMARA CÍVEL

Partes

Publicação

Relator

MAURICIO KERTZMAN SZPORER

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-BA_APL_00154650820118050080_a49fa.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________

Classe : Apelação n.º XXXXX-08.2011.8.05.0080

Foro de Origem : Foro de comarca Feira De Santana

Órgão : Segunda Câmara Cível

Apelante : R. Carvalho Construções e Empreendimentos Ltda

Advogado : José Roberto Cajado de Menezes (OAB: 11332/BA)

Advogado : Rodrigo dos Santos Souza (OAB: 40888/BA)

Apelado : Telhados do Nordeste Comércio Ltda

Advogado : Rosimario Carvalho da Silva (OAB: 35114/BA)

Advogada : Cristiane Santana Matos (OAB: 38339/BA)

Relator (a) : Maurício Kertzman Szporer

ACÓRDÃO

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL E RECURSO ADESIVO. PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA REQUERIDA. EXTINÇÃO DO PROCESSO, SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO, POR PERDA SUPERVENIENTE DO OBJETO. CONDENAÇÃO DA RÉ AO PAGAMENTO DOS ÔNUS DA SUCUMBÊNCIA. MANTIDA. PRINCÍPIO DA CAUSALIDADE. APRECIAÇÃO EQUITATIVA. POSSIBILIDADE. RECURSO NÃO PROVIDO 1. Em função do princípio da causalidade, nas hipóteses de extinção do processo sem resolução de mérito, decorrente de perda de objeto superveniente ao ajuizamento da ação, a parte que deu causa à instauração do processo deverá suportar o pagamento das custas e dos honorários advocatícios. 2. Como a parte apelante deu causa ao ajuizamento da demanda, deve ser mantida a sua condenação ao pagamento do ônus sucumbenciais a teor do art. 85, 10 do CPC, conforme constou na decisão primeva. APELO E RECURSO ADESIVO IMPROVIDOS.

Vistos, relatados e discutidos os autos do Apelação nº XXXXX-08.2011.8.05.0080, da

Comarca de Feira de Santana em que é recorrente R. Carvalho Construções e

Empreendimentos Ltda e recorrido Telhados do Nordeste Comércio Ltda.

ACORDAM, os Desembargadores integrantes da Segunda Câmara Cível do Egrégio

Tribunal de Justiça da Bahia em NEGAR PROVIMENTO ao recurso de

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________ Apelação e ao recurso Adesivo, nos termos do voto do relator.

Salvador/BA, __ de _______________ de 2020.

Presidente

Mauricio Kertzman Szporer

Relator

Procurador (a) de Justiça

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________

Classe : Apelação n.º XXXXX-08.2011.8.05.0080

Foro de Origem : Foro de comarca Feira De Santana

Órgão : Segunda Câmara Cível

Apelante : R. Carvalho Construções e Empreendimentos Ltda

Advogado : José Roberto Cajado de Menezes (OAB: 11332/BA)

Advogado : Rodrigo dos Santos Souza (OAB: 40888/BA)

Apelado : Telhados do Nordeste Comércio Ltda

Advogado : Rosimario Carvalho da Silva (OAB: 35114/BA)

Advogada : Cristiane Santana Matos (OAB: 38339/BA)

Relator (a) : Maurício Kertzman Szporer

RELATÓRIO

Trata-se de Recurso de Apelação interposto por R. CARVALHO

CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS LTDA , nos autos da AÇÃO

MONITÓRIA nº 0015465- 08.2011.8.05.0080) ajuizada por TELHADOS

DO NORDESTE COMÉRCIO LTDA, perante o Juízo da 5ª Vara dos

feitos Relativos ás relações de Consumo, Cíveis e Comerciais da Comarca

de Feira de Santana, contra sentença que julgou extinto o processo, nos

seguintes termos:

“JULGO EXTINTA a presente ação monitória, com

fundamento no artigo 485, inciso VI, do Código de

Processo Civil. Em razão do princípio da causalidade,

condeno a parte ré ao pagamento das custas

processuais, bem como dos honorários advocatícios,

que fixo em R$ 5.000,00.”

Aduz que a sentença deve ser reformada, ao argumento de que “o

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________ Ajuizamento da Recuperação Judicial, com a apresentação da Relação de Credores incluindo o crédito da Apelada , ocorreu em 27/07/2011, in verbis, ou seja, antes do ajuizamento da presente Ação Monitória (09/09/2011), a condenação a título de Custas Judiciais e honorários sucumbências é totalmente descabida, porquanto, o Direito do Apelada não remanesceu incólume à Demanda”.

Sustenta ainda o “descabimento da condenação de honorários sucumbencias em razão da impossibilidade de identificação da parte sucumbente e sucumbida”.

Recurso Adesivo defendendo a fixação dos honorários sobre o valor da causa e contrarrazões apresentadas pelo improvimento do apelo.

É o relatório. Peço inclusão em pauta de julgamento.

Salvador/BA, __ de _______________ de 2020.

Mauricio Kertzman Szporer

Relator

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________

Classe : Apelação n.º XXXXX-08.2011.8.05.0080

Foro de Origem : Foro de comarca Feira De Santana

Órgão : Segunda Câmara Cível

Apelante : R. Carvalho Construções e Empreendimentos Ltda

Advogado : José Roberto Cajado de Menezes (OAB: 11332/BA)

Advogado : Rodrigo dos Santos Souza (OAB: 40888/BA)

Apelado : Telhados do Nordeste Comércio Ltda

Advogado : Rosimario Carvalho da Silva (OAB: 35114/BA)

Advogada : Cristiane Santana Matos (OAB: 38339/BA)

Relator (a) : Maurício Kertzman Szporer

VOTO

Inicialmente, cabe considerar que, os honorários advocatícios serão

devidos nos casos de extinção do feito pela perda superveniente do objeto,

como apregoa o princípio da causalidade, pois a ratio desse entendimento

está em desencadear um processo sem justo motivo e mesmo que de boafé.

In casu, verifica-se que a presente monitória foi extinta pela perda

superveniente de objeto, constando na sentença que o credito objeto da

demanda foi incluído no plano de recuperação judicial da ré, ora apelante,

de modo que a extinção do feito não se deu por irregularidade da cobrança.

Dessa forma, como a apelante deu causa ao ajuizamento da presente

demanda, pelo Princípio da Causalidade, segundo o qual aquele que deu

causa a instauração do processo deve arcar com as despesa dele

decorrentes, deve a esta suportá-los.

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________ Sobre o assunto a jurisprudência assim se manifesta:

“AÇÃO DE EXECUÇÃO. PERDA SUPERVENIENTE DO OBJETO. RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA EXECUTADA. EXTINÇÃO DO PORCESSO. ÔNUS DA SUCUMBÊNCIA CAUSALIDAE. Deve arcar com o pagamento dos ônus da sucumbência relativamente à execução extinta por perda do objeto, o executado que teve aprovado o pedido de recuperação judicial, nele incluído o crédito objeto da execução, em decorrência da aplicação do princípio da causalidade.”(TJMA- apelação cível 1.0290.14.010244-0/001, Rel. Des. José Arthur Filho, 9ª C.C, j. 20/06/2018)

“APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO MONITÓRIA -PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA REQUERIDA - EXTINÇÃO DO PROCESSO SEM RESOLUÇÃO DE MÉRITO - PERDA SUPERVENIENTE DE OBJETO - CONDENAÇÃO DA RÉ NOS ÔNUS SUCUMBENCIAIS -MANTIDA - PRINCÍPIO DA CAUSALIDADE -RECURSO NÃO PROVIDO. 1- Na hipótese de extinção do feito por perda do objeto por fato

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________

superveniente, qual seja, a Recuperação Judicial da ré, a verba honorária deve ser arbitrada observando-se o princípio da causalidade. 2- Como a apelante deu causa ao ajuizamento da presente demanda, deve ser mantida a sua condenação ao pagamento dos ônus sucumbenciais, a teor do art. 85, § 10, do CPC/15, conforme constou da decisão primeva. 3- Recurso não provido. (TJ-MG - AC: XXXXX40047199001 MG,

Relator: Hilda Teixeira da Costa, Data de Julgamento: 04/12/2018, Data de Publicação: 14/12/2018).

Destaque-se que o edital do art. 52, § 1º, III, da Lei 11.101/2005 foi publicado posteriormente ao ajuizamento da presente ação, de forma que se mostrou que havia interesse dos autores no momento em que distribuíram o feito, devendo-se, portanto, ser mantida a sentença.

No tocante ao valor dos honorários advocatícios o art. 85, § 2º, do CPC, determina que sejam fixados entre o percentual mínimo de 10% e o máximo 20% sobre o valor da condenação, o proveito econômico obtido, ou não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa, levando-se me consideração o grau de zelo do profissional, o lugar de prestação do serviço, a natureza e a importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço.

Processo nº XXXXX-08.2011.8.05.0080

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Segunda Câmara Cível

______________________________________________________________________

Na petição inicial, foi atribuído o valor de 464.637,55(quatrocentos e sessenta e quatro mil, seiscentos e trinta e sete reais e cinquenta e cinco centavos) o qual, em tese, deveria servir de base para a fixação dos honorários sucumbenciais, a teor do § 2º do art. 85 do CPC, mencionado anteriormente.

Ocorre que a magistrada a quo, diante da perda superveniente do objeto, arbitrou de forma equitativa a verba honorária em R$ 5.000.00(cinco mil reais), ao invés de aplicar o percentual sobre o valor da causa, não há motivos que justifiquem a modificação.

Pelo exposto, NEGO PROVIMENTO ao recurso de Apelação e ao recurso Adesivo, nos termos acima delineados.

Nos termos do art. 85, § 11, do NCPC, majoro os honorários advocatícios para a quantia de R$7.000,00(sete mil reais).

Salvador/BA, __ de _______________ de 2020.

Mauricio Kertzman Szporer

Relator

Disponível em: https://tj-ba.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1121243803/apelacao-apl-154650820118050080/inteiro-teor-1121243863

Informações relacionadas

Rodolfo Pamplona Filho, Juiz do Trabalho
Artigoshá 4 anos

Responsabilidade Civil do Empregador por ato do Empregado

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-91.2016.8.07.0001 DF XXXXX-91.2016.8.07.0001

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
Notíciashá 12 anos

Condições da ação e pressupostos processuais - Áurea Maria Ferraz de Sousa

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível: AC XXXXX RS

Tribunal de Justiça do Amazonas
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça do Amazonas TJ-AM - Agravo de Instrumento: AI XXXXX-49.2018.8.04.0000 AM XXXXX-49.2018.8.04.0000